Centro Integrado de Estudos e
Programas de Desenvolvimento Sustentável
Página Inicial

Extranet

Artigos

Ouvir o outro lado da história: ótimo exercício democrático

25/10/2011

Enviar para o Twitter Enviar para o Facebook

Quase sempre quando anunciamos que trabalhamos em uma ONG as pessoas se espantam.  Virou notícia corriqueira nos últimos anos o envolvimento dessas instituições por todo o Brasil em escândalos governamentais e não-governamentais. Ongs são chamadas de instituições laranjas e seus produtos são tratados como ficção. Mais recentemente, essas organizações foram tratadas como instrumentos de arrecadação de fundos ilícitos para políticos e desvio de impostos por empresas. O problema não são as ONGs, e sim alguns de seus gestores que agem de má fé aproveitando de um instrumento social que, ao longo de décadas, tem prestado um enorme serviço à sociedade do Brasil e de todo o mundo.  Serviços esses que atendem à demanda do enorme custo social.


Vale refletir: quem mantém os asilos? Quem se encarrega de implementar programas de prevenção de drogas ou abuso sexual de crianças? Quem denuncia o desmatamento de florestas ou o assassinato de líderes comunitários? Quem se presta a desenvolver pesquisas para incluir socialmente analfabetos, famílias com pobreza crônica ou dependentes químicos?  Poderia listar uma série expressiva de outras contribuições.


É fato que a boa gestão de uma ONG exige transparência e competência diante da diversidade de legislações que as regem.  Mas só isso não basta.  Hoje é preciso trabalhar com modelos de prestação de contas, nas quais são aplicados legislações municipais, estaduais e federais que não se comunicam entre si.  Essa variação traz brechas para agentes de má fé que em nome do trabalho social burlam, corrompem e privatizam seus interesses.  Em quase todos os países desenvolvidos essas instituições contam com inúmeras isenções e reconhecimento.


Hoje empresas fazem propagandas ressaltando o seu valor social porque passaram a vender seus produtos para os pobres.  Durante anos, estas viraram as costas para esse mercado e continuaram a financiar governantes que nada fizeram para reverter a pobreza.  Dizer agora que o pobre tem vez porque paga pela energia elétrica ou recebe encomenda pelo correio é no mínimo hilário.  Os governos estaduais descobriram que a inclusão social de favelas ao mundo do asfalto gera mais riqueza para as cidades através da arrecadação de mais impostos.  Os anos de trabalho árduos e solitários de ONGs em morros e favelas são desconsiderados e denegridos. Acham que a mão invisível do mercado operou um milagre sozinho.


Empresas e governos agora acordaram para a melhoria dos indicadores sociais, em especial a educação porque já falta mão de obra qualificada para apoiar o crescimento.  A formação profissional de um jovem é ineficiente se não tiver estudado em boa escola. Falta base para o desenvolvimento e aprendizagem.  Quem, mais uma vez, atua pelo Brasil com programas de educação? Centenas de ONGs e voluntários.
 

Nossos governos operam estruturas pesadas e deficitárias.  A parceria com instituições sociais com fins específicos se faz urgente para consolidar o crescimento econômico e colocar o Brasil num patamar digno, não pelo seu PIB concentrado nas mãos de poucos, mas num patamar onde sua população possa viver com mais oportunidades, dignidade, boa saúde e educação. ONGs desenvolvem iniciativas construtivas sim e nós temos dever moral de nos colocarmos como parte na solução dos problemas sociais do Brasil apoiando iniciativas sérias e transparentes que trazem resultados e melhores perspectivas.

Vandré Brilhante, economista e presidente do Centro de Integração e Estudos em Desenvolvimento Sustentável (CIEDS)

Comentários:

n9Uaj42M | 12/09/2013 03:21:06

Bacana, Will.O tema d pano pra manga, n ?Sobre o Pe. J. batista Lib nio, ele refer ncia. Professor do Instituto Santo In cio de Loyola (reconhecidamente um dos mais cotsesnentis centros de forma o teol gica da Am rica Latina). N o sou cat lica romana, mas tenho muita vontade de estudar no ISI. Quem sabe? )Bons estudos, mo o. Chega o chicote! rsrsANA

Parceiros

  • CBVE
  • Secretaria Municipal de Assistência Social – Nilópolis
  • Metrô Rio e Instituto Invepar
  • Centro RIO + / ONU
  • Shell
  • Prefeitura de Macaé
  • Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro
  • Fundação Itaú Social
  • Chevron
  • Secretaria Municipal de Saúde RJ
  • Canal Futura
  • Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social da Prefeitura do Rio de Janeiro – SMDS

Cadastre-se
E receba nossos informativos